Trilha da Leitura leva peça teatral para mais quatro escolas da zona rural

Dando continuidade às apresentações do espetáculo teatral “Minha Cidade, Meu Tesouro”, que aborda a temática da Educação Infantil Municipal para o segundo semestre deste ano, a equipe do Projeto Montes Claros na Trilha da Leitura esteve em mais quatro escolas da zona rural nos dias 29 e 30 de agosto. 

Receberam a peça as escolas municipais Benedito Maciel, da comunidade Fazenda Buriti do Campo Santo; o Pré-Escolar de Santa Rosa de Lima; a Celme Borém, do Povoado Campos Elíseos; e a Alexandre Martins Durães, no Distrito de Vila Nova de Minas.

  “O teatro está possibilitando a união da literatura com o ensino-aprendizagem. Através da história, os alunos viajam na trama de Peter Pan e sua turma, descobrindo tesouros especiais, inclusive na própria cidade”, comenta a professora e integrante do Trilha, Sayonara Nascimento.

A peça
O espetáculo aborda a busca da personagem Lalinha pelo significado da palavra “tesouro”, uma vez que a sua escola está trabalhando sobre o tema. Com um livro que ganhou da avó, ela embarca em uma aventura com Peter Pan e sua turma à procura do tesouro escondido. Ao final, descobre que os verdadeiros tesouros estão bem visíveis no mundo real, na sua prórpia cidade, e precisam ser preservados.

 “Nossa cidade tem verdadeiros tesouros escondidos para a maioria da população, que não os visita e nem os conhece. O teatro está mostrando às crianças como a nossa cidade é bonita, contendo lugares e pessoas especiais que precisam ser descobertos e valorizados”, avalia a coordenadora do Trilha, Éllen Santa Rosa.

Segundo a professora e integrante do Trilha, Maria Deusdima Silva, contar esta história “é voar na imaginação e sobrevoar Montes Claros, visitando espaços especiais e descobrindo seus tesouros, que precisam ser preservados, como parques, prédios públicos e praças, entre outros”.

Última atividade

Ao final deste trabalho, os alunos serão convidados a desenhar um lugar especial da cidade, como se encontra hoje e como eles gostariam que estivesse daqui a alguns anos, colocar este desenho em uma garrafinha e enterrar em um local seguro e demarcado, para que outras crianças, no futuro, ao desenterrar o “tesouro”, descubram como se modificaram os espaços da cidade.

Texto: Farley Henrique // Fotos: Educamoc

Comentários

Mais do Educadora FM

Lei Cultural Aldir Blanc

A Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc estabelece um conjunto de ações para garantir uma renda emergencial para trabalhadores da Cultura e manutenção dos espaços

Ler Mais